quarta-feira, 26 de julho de 2017

COPOM de hoje e minha estratégia

Aproveitando que hoje é o segundo dia da reunião do COPOM e que mais tarde nós veremos depois de 4 anos a SELIC em um dígito novamente vou falar um pouco da minha expectativa.

Quando o impeachment da Dilma estava praticamente cristalizado eu resolvi sair completamente da renda fixa, que na época era quase toda minha alocação, e resolvi partir para as ações e para os FIIs. Claro que eu perdi uma parte da subida, já que o mercado começou a precificar o impeachment bem cedo, mas mesmo assim entrei numa época boa.

Meu racional era simples, as taxas iam recuar muito, a galera ia ver o CDB suado deles despencar a rentabilidade e ia correr atrás de novas opções.

Engraçado que eu achava que a SELIC não cairia tão rápido quanto caiu e mesmo assim os FIIs não subiram tanto quanto eu achava na época. Acho que o mercado de renda fixa é mais resiliente do que eu imaginava, a galera demora pra perceber o corte de rentabilidade que tá tomando. Fora que a economia não decolou também como eu esperava, o burro do Temer se deixou ser gravado e a incerteza voltou.

Na reunião anterior, de maio, tudo levava a crer que o BC conseguiria acelerar o corte para 125 pontos, aliás, pela própria comunicação ficou claro que essa era uma possibilidade real não fosse a famosa gravação. Todo caso, a inflação continuou despencando, ele conseguiu dar 100 e ao que tudo indica dará mais 100 pontos hoje.

A questão agora é onde o BC vai parar. O consenso que era de 9,00% no fim do ano, virou 8,00% e agora tá começando a apontar para baixo, para perto de 7,50%. Acredito eu que o nível ideal de juro real seria uma SELIC em 8,00% no fim do ano e ficar neste nível por um bom tempo. Por isso, acho que quanto mais ele cortar abaixo deste nível, mais pressão ele vai ter pra subir ano que vem. O detalhe é que ano que vem tem eleições e o BC costuma evitar se mexer muito perto das eleições.

Como eu venho dizendo em outros posts, o principal risco que vejo agora é o risco eleitoral. Um cenário Lula x Bolsonaro cada vez mais polarizado sem que um candidato de centro desponte com chances reais. O mercado vai assustar em algum momento com isso. Com Selic em 8,00% e um risco desses, o caminho natural é o real desvalorizar e muito, por isso fiz o post anterior sobre opções simples para "comprar dólar". Esse segundo semestre e o primeiro do ano que vem pretendo segurar mais caixa para tentar aproveitar alguma piora do mercado que baixe de forma irracional os preços de ITSA4 que já comecei a comprar em julho.

Estou pessimista com o risco eleitoral, mas otimista com o que vai sair daí em 2019. Acho que ano que vem será um bom ponto de entrada para o mercado de ações...

2 comentários:

  1. boa análise!
    tb acho que próximo ano vai ser bom pra aumentar a posição na bovespa... e vale ter uma reserva pra aproveitar as flutuações que podem ocorrer a qquer hora...

    abraço
    PD7

    ResponderExcluir